Não tente ser o melhor, Michael Porter, na #Expo09

Michael Porter fez duas palestras seguidas na manhã do terceiro dia da Expo Managemente, em São Paulo, há duas semanas. Michael Porter é considerado uma das maiores autoridades do mundo em estratégia, tendo escrito alguns dos livros mais famosos sobre o tema.

Ele é daquelas raras pessoas que sabem tanto de um assunto, que já ensinaram, estudaram e revisaram tanto um tema, que tem uma capacidade incrível em explicar de forma simples de entender. Eu fiquei fascinado com a clareza que ele conseguiu explicar estratégia em profundidade.

Esse post é dedicado ao principal insight que tirei da sua primeira palestra. Não tente ser o melhor, seja único. Ele mostrou a declaração de visão e missão de grandes e admiradas empresas brasileiras: Brasil Telecom, Ambev e Embraer. E destacou quantas vezes há a palavra melhor. Foi uma maneira de chamar a atenção, e provavelmente não agradou aos que estavam lá e eram dessas empresas, mas faz parte do show.

Escolha seu cliente e procure ser único. Atenda o perfil de clientes que escolheu, mas não procure atender a todos. Procure se posicionar como único, através do valor que entrega, das competências que desenvolve na sua empresa. Através até da rede de valor que você constrói na sua empresa e fora dela. Tudo pode te ajudar a se tornar único (e não melhor). Eu fiquei pensando em quantas vezes já me vi falando melhor, em quantas vezes já vi bons profissionais falando em ser melhor. E como esse não é o melhor caminho.

Refletir sobre meu negócio e minha atuação pessoal, em todas as áreas, pensando em como ser único e não melhor. Para ser único, você trabalha pela sua excelência individual. Para ser melhor, fica se comparando. Eu me lembrei muito da frase do Nietzsche “Torna-te aquilo que tu és”, que gosto muito e já escrevi sobre isso.

Quando você compete nas mesmas dimensões, tende a tornar o mercado pior, e até menor. Ao competir para ser o melhor, o modelo mental é a soma zero: eu ganho, você perde. Quando compete em dimensões diferentes, a tendência é aumentar o mercado. Se você conseguir isso, sai da soma zero, e sua vitória deixa de depender da derrota do outro.

Ele deu dois exemplos interessantes de empresas com estratégia focada: a IKEA, que faz móveis muito baratos (e atende muito bem a filha do Michael Porter, mas ele não gosta), e a Nespresso, linha da Nestlé, de café espresso ultra-especial, que não é vendida em supermercados (como a grande maioria dos produtos Nestlé).

Eu achei muito interessante. Pensei também em como isso é básico. Em como é simples. E como é difícil e raro de se fazer, de se colocar em prática realmente. Porter ficou aproximadamente 30 minutos falando sobre isso, e achei que valeu o dia.

Para ir além:

Vicente Falconi na Expo Management 2009 #expo09

Participei, há duas semanas, da Expo Management 2009, o maior evento para executivos do Brasil. São três dias com palestras dos mais famosos gurus, especialistas e professores do mundo, em especial dos EUA. Interessante que um dos palestrantes que mais aguardava e que mais gostei foi o brasileiro Vicente Falconi, do INDG.

Falconi fala sobre método, processos, metas. E conseguiu mudar muito os resultados de muitas empresas de grande sucesso, como a Ambev, hoje AB-Inbev e também no setor público, como governo de MG e SP e fazendo trabalhos com o governo federal. O tema do Falconi é relativamente árido, não empolga muito, mas impressiona pelos resultados obtidos e pela sua lista de fãs. Marcel Telles, abriu sua apresentação, chamando-o de “meu guru”.

Gostei muito do talk-show ou entrevista do Falconi com o Carlos Alberto Júlio (ex-HSM, hoje presidente da Tecnisa). Veja os principais pontos e meus comentários abaixo.

  • Conseguiu colocar uma meta para cada um dos brasileiros em 2001, com o apagão e deu certo, porque era claro, específico. Provavelmente foi a primeira da história, bem sucedida.
  • A área nuclear foi quem trouxe a padrozinação para o Brasil. Imagine o que acontece quando não se tem padrão, processos nesse setor: Chernobyl.
  • Ele ainda acha que falta muito padrão e treinamento nas empresas brasileiras. Será que temos muito papel escrito, ou estamos trabalhando dentro dos processos, perguntou. Comentou que não ve diferenças nas necessidades entre setor de serviços e indústria, e é claro que o setor de serviços sente mais falta ainda de padronização.
  • Carlos Brito, da AB-Inbev: “nossa diferença é que fazemos o que todo mundo já sabe”. Impressionante, mas verdade. O sucesso é conseguir implementar o básico em larga escala e com excelência.
  • Um ótimo método de estudo de um livro, um assunto é o da “cumbuca”. Reúna grupos de 4-10 pessoas semanalmente, onde todos lêem um capítulo e se sorteia quem irá apresentar. Assim todos sabem do assunto, e a reunião é muito produtiva. Gostei, e vamos implementar isso na AgriPoint, por sugestão do Marcelo, no estudo do livro do Falconi.

Quais as metas mais importantes

  • Uma empresa é como um organismo vivo, é preciso de normalidade das funções básicas: temperatura, pressão, etc. Interessante, se você estiver com febre não consegue produzir. O mesmo ocorre com uma empresa. Gostei.
  • As metas para manter a situação da empresa são as mais importantes. São as metas que mantém as funções vitais da empresa funcionando normalmente.

Inovação x Melhoria contínua

  • Não dá para inovar em tudo, mas dá para melhorar em tudo. Ou seja, você pode conseguir uma inovação disruptiva em alguma área, mas precisa seguir melhorando aos poucos em todas as áreas.
  • Muitas vezes para inovar você precisa ir atrás de uma outra empresa, de outro setor, para copiar um detalhe, e implementar dentro do seu processo, junto com outras coisas que você inventa, ou copia de outras empresas. Achei interessante e me lembrei da Apple, que já lançou produtos de extremo sucesso que eram uma colcha de retalhos quando se avaliava a inspiração de cada uma das funcionalidades.

Informação X Ação

  • Informação não vale nada, é preciso agir em cima dessa informação. Estabelecer certo as metas é tão importante quanto ter metas. É preciso avaliar quão desafiadoras devem ser, e também se está sendo medido o indicador certo.
  • Líder é aquele que bate metas, com seu time, fazendo o certo. Essa é a definição do Falconi.

Cultura

  • É preciso reforçar a cultura de se enfrentar os problemas. Há muita gente que trata mal quem traz notícias ruins. Isso é péssimo para uma organização. Encarar a realidade é fundamental.
  • Implementar, na real, uma cultura como a da Ambev, leva no mínimo cinco anos, se for rápido. Não dá para pensar que se faz isso em três meses. O ser humano demora muito para aprender. Há uma curva de aprendizado, e empresa = pessoas. Básico, muito verdade e pouco encarado. Aprendizado vem da meta, do desconforto.

Processo X Pessoas?

  • Só processo, método e metas não funciona. É preciso ter turn-over (rotatividade) baixa de funcionários, para se manter o conhecimento tácito. Você pode até ter metas, técnicas e processos para se reduzir o turnover. Eu achei essa simples explicação muito boa, foi a primeira vez que vi alguém explicar como juntar processo com pessoas.
  • A sugestão dele, que vou procurar adotar é criar processos para acumular o conhecimento técnico. E treinamento com baixo turnover para aumentar e melhorar o conhecimento tácito, que é difícil de se aprender, de se ensinar, de se reter. Por isso as empresas com menor turnover tendem a melhores resultados.

Gostei muito da apresentação dele. É daquelas pessoas humildes, que sabem muito e não são metidas. E sabem tanto que conseguem explicar com clareza e simplicidade, tornando fácil o que é complexo. E me inspirou ainda mais a aplicar método e metas na empresa. Entender como excelentes pessoas são tão importantes quanto excelente método e padronização, e que os dois não são excludentes, mas complementares, me animou ainda mais a estudar e aplicar seus conceitos.

Link para comprar o livro dele, O Verdadeiro Poder. Recomendo, muito.

Participei do evento, como blogueiro convidado, uma gentileza da Adriana Salles Gomes, editora da revista da HSM, que conheci pelo twitter e pessoalmente lá no evento. Excelente pessoa e profissional, fiquei impressionado com seu conhecimento, experiência, simpatia e postura. Conhecer e conversar com pessoas inteligentes é uma das coisas que mais gosto de fazer.

#TEDxSP: minhas impressões de um evento muito inspirador, mas não perfeito

Participei no último sábado, dia 14 de novembro do TEDxSP, um evento no formato do TED que acontece na Califórnia todos os anos, sempre lotado, com fila de espera e mais de US$ 4.000 de inscrição. Esse aqui foi gratuito, realizado com o suporte e permissão do TED, mas independente. Foi um dia e tanto, muito cansativo para o cérebro. Abaixo minhas anotações, palpites e reflexões.

O que faz um evento de sucesso

Hoje, com muita informação, com a internet, com tudo disponível, é ingênuo achar que um evento vai te trazer muito conteúdo novo. Se isso acontecer, você deve estar pouco informado. Me lembrei da pergunta que fiz ao Tim O’Reilly no início desse ano, sobre como o evento dele ia ganhar dinheiro, se estava colocando (quase) tudo de graça na web. Ele me disse, bem resumido: evento de sucesso é: conteúdo, mas também é curadoria (misturar e ordenar muito bem os temas/palestrantes) e é experiência.

O TEDxSP foi isso, uma experiência de passar um dia inteiro (de 07:30hs as 20:30hs num sábado) convivendo, ouvindo, vendo, falando, pensando e refletindo sobre o que o Brasil tem de melhor. O que o Brasil tem a oferecer para o mundo. É lógico que o Brasil tem muito a oferecer, mas como temos muitos e muito grandes pepinos também a resolver, já viu, falamos/pensamos no dia-a-dia quase que só sobre os problemas. O TEDxSP conseguiu abrir uma janela nessa nossa rotina. Por isso a sensação de 99% do público era muito boa durante e depois do evento.

O que eu não gostei muito

O evento não foi perfeito, e como um bom (e chato) observador, anoto aqui. Muita gente usando o twitter para repetir o que o palestrante dizia, sem comentar, sem conversar. Parecia que muita gente estava ali vendo, mas não refletindo.

Eu também achei o público muito focado em publicidade/comunicação e em grandes empresas. Pouco diverso. E me surpreendi quando me falaram que tiveram apenas 1.000 e poucos (1.300, sei lá) inscritos. Para um evento gratuito, com 700 vagas, me pareceu pouco. E eu que fiquei bem encanado que não seria convidado… :-)

Vários palestrantes não respeitaram o tempo estipulado. Do terceiro andar do teatro, de onde estava, dava para ver o relógio piscando 00:00. O primeiro palestrante, que era da Superinteerssante, falou uns 15 minutos quando tinha 5… Tudo bem qu eeu já tenho uma certa implicância com a revista… O que já li deles, sobre temas que entendo (carne bovina) tinha muita bobagem. Parecia uma matéria que estava pronta antes de entrevistar os dois lados. Outras palestras também não foram boas, teve uma que um amigo descreveu como a leitura dos folders de três ONGs.

E um dos palestrantes, o Luiz Algarra, brincou que não existem talks no TED, o palestrante não conversa, não escuta, apenas fala. É uma verdade.

Mas eu acho que esses detalhes são pequenos perto do que o evento conseguiu fazer.

A organização

O pessoal da organização deu um show. Usaram o know-how do TED americano e deram um toque brasileiro. Tudo funcionou bem, desde o email de boas-vindas, com todas as informações, enviado dois dias antes. Além disso, pude conhecer mais o pessoal da Colméia, que trabalha entre outras coisas com vídeos online. É uma empresa com uma cara, cultura diferente. O pessoal é gente boa, amigo, sem pressão. Achei muito bom mesmo. Outr acoisa legal é que algumas empresas (entre elas a Batuq) fizeram um makeup dos PPTs, que estavam impecáveis. Coisa rara de se ver. E alguns nem usaram PPT, o que surpreende ainda mais.

Três pessoas da organização, além do apresentador do evento, falaram no palco. Todos me pareceram extremamente dedicados ao tema, a proposta. Tinha mergulhado de cabeça na ideia do TEDxSP e colocavam ali todo seu ser. Uma das melhores surpresas foi a palestra do estagiário do TED, de 17 anos, que fez uma palestra empolgante, animada e com conteúdo. Seu pedido: vamos ajudar a traduzir os mais de 500 vídeos em inglês do TED para o português.

As palestras que mais se destacaram (e me marcaram)

As palestras que mais me marcaram foram as de:

Guti Fraga, pela emoção de falar do projeto Nós do Morro (no Vidigal, RJ/RJ). Ele estava muito emocionado e falou coisas muito legais como: ajudar os outros é muito bom, todo esse projeto ajudou muita gente, mas me ajudou muito mais.

Professora Adozinda, uma professora de 92 anos, exemplo de dedicação, amor a profissão, alegria. Ela finalizou fazendo quadrinhas sobre o que é ser professora. Uma das coisas mais legais que já vi sobre educação. Muito bom mesmo ver alguém com essa idade e esse estado de espírito.

Osvaldo Stella, por deixar o PPT de lado, e fazer a palestra no improviso. Ele disse, se eu chorar mais, vou desidratar. Pessoal que fez o PPT, muito obrigado, mas não vou usar isso, vou contar minha história. E mandou muito bem, contou sua história de vida, entremeando com a questão ambiental. E falou uma série de coisas muito longe do discurso chato de eco-xiitas. O cara tem conhecimento, e falou com o coração. Surpreendeu.

Regina Casé, também pela alegria e energia de falar de um assunto que ela adora: perifieria, cultura, gente. Contou histórias super legais e divertidas, e junto mostrou um lado diferente do Brasil. Outra coisa legal, é a globalização da cultura de periferia. O que acontece no Pará é parecido com o que acontece em Angola, México e até subúrbio de Paris. Contou uma história de menino com síndrome de down na favela que tinha uma vida com muito mais inclusão do que um menino rico, que seria isolado. Regina Casé fala negão, preto, viado. Não importa o que você fala, mas como você fala. Como ela tem paixão, emoção, carinho por tudo isso, não soa estranho. Deve ser difícil um chato politicamente correto entender. No site dela tem uma frase que me identifiquei “É muito trabalho, mas é isso mesmo que eu quero na vida. Fazer boas coisas e me divertir com elas”. Deixou um link extra para o pessoal do TEDxSP.

Fábio Barbosa, por falar de ética e por acreditar que dá para fazer um Brasil melhor trabalhando direito. Fábio ´eum dos maiores executivos do Brasil, e o principal a carregar essa bandeira. “Não dá para ir bem num país que não vai bem”. Deu o recado de que uma empresa pode fazer diferente. “Resultado sim, mas precisamos focar nosso impacto”. ” Se precisamos comprar de quem vai contra a lei para ter resultado, não dá”. “Não tem mais on e off. Estamos sempre on”. A transparência não é mais uma opção, mas a realidade nua e crua. “O que você faz no dia a dia, transforma o Brasil de alguma forma?” “Diversidade gera pontos de vista diferentes, e a possibilidade de pensarmos melhor. Achamos muito inteligentes quem pensa como nós e o oposto acontece”. “A reforma mais importante não é a política, etc. É a reforma moral”. “Melhoramos como consumidor de produtos, mas não como consumidor de cidadania. Ainda votamos errados. Não deixamos um mundo melhor para nossos filhos, mas filhos melhores para o mundo.” Escrevi um post bem completo de uma palestra excelente do Fábio Barbosa que assisti ano passado.

Casey Caplowe, da revista GOOD, dos EUA, também fez uma palestra muito boa. A Good é uma revista para quem quer viver bem, fazendo o bem. Achei interessante o conceito. Veja o site da revista GOOD. Ele falou algumas coisas bem legais, como: “America: ame-a ou deixe-a”. Tiraram o deixe-a e colocaram arrume-a. Muito bom, acho que podemos fazer o mesmo com o Brasil. Eu fiquei com uma impressão de que eles fazem uma revista que consideram top, que consideram que vai fazer a diferença, e não querem fazer uma coisa enxaguada, imbecilóide, para vender para mais Homer Simpsons. Os EUA têm uma classe de gente criativa, empreendedora incrível. Outro conceito que gostei muito foi o de produzir algo que seja awesome, ou incrível, especial. Ele citou um artigo que falava justamente sobre isso como maneira de enfrentar a crise e a concorrência. Acredito demais nisso.

Todas essas palestras, de alguma forma me emocionaram. Também gostei muito da palestra sobre o projeto Many Eyes, da IBM, que facilita muito mostrar dados de uma forma fácil de se ver. E várias outras foram bacanas, vale a pena acompanhar o site deles e esperar pelos vídeos.

O que faz uma palestra de sucesso

Revendo minhas anotações (tweets) e refletindo sobre o evento, chego mais uma vez a conclusão que uma boa palestra é feita de emoção. É feita de histórias bacanas, que te tocam. Teve uma menina que conseguiu fazer uma palestra legal sobre substâncias químicas no resíduo da banana par adespoluição de água. Amazing!

Também cheguei a conclusão que para fazer uma ótima palestra, com muit aemoção e com ótimas histórias, é preciso ter investido muitas e muitas horas da sua vida naquela assunto. Talvez as 10 mil horas do Malcom Gladwell. E você só vai conseguir investir esse tempo todo e ainda falar com o coração de um assunto que goste muito, muito mesmo. Tem que ser o assunto da sua vida. É claro que um PPT template pode arruinar sua apresentação e que existem muitas e boas técnicas sobre como apresentar bem, que podem ser treinadas e aprendidas (é fácil), mas isso só não basta. É o complemento.

Principal conclusão do evento

Por incrível que pareça, a principal conclusão do evento é o amor. Várias pessoas falaram de formas diferentes sobre o amor. Sobre querer bem os outros. Um dos primeiros disse: “se você está aqui hoje, é porque alguém, um dia, cuidou de você”. Eu vi gente falando ou pulsando no palco sobre amor ao próximo, amor a educação, amor a profissão, amor ao que faz, amor a arte, amor a música. Ainda relacionando ao tópico acima, as melhores palestra foram sobre temas que os palestrantes realmente amavam, a ponto de dedicar toda sua vida nisso. Parece piegas, mas foi o principal que levei para casa. Me lembrei de uma frase do Peter Drucker, citada pelo Jim Collins, na INC500: “Não se preocupe em sobreviver, não se preocupe em ser bem sucedido. Se preocupe em ser útil”.

Tribal Leadership e o TEDxSP

No momento estou lendo (na verdade ouvindo o audiobook) um livro chamado Tribal Leadership, onde o autor fala de 5 tipos de tribos, cada uma com suas caracteríticas. A cada tribo, cada degrau, você vai mehorando, tendo uma vida mais plena e também produzindo mais, em especial em grupo. O quinto nível tem o nome de “Life is great”, onde os integrantes da tribo pensam de forma abundante, não tem inimigos ou concorrentes, trabalham por um sonho maior. E com isso conseguem realizar muito mais. O autor diz que são muito poucas empresas qu estão nesse nível.

Ao sair do TEDxSP, estava com uma sensação muito boa. Uma sensação de que a vida era boa. De que há muita gente boa no Brasil. De que é possível construir algo melhor aqui. Eu acho que o TEDxSP conseguiu, pelo menos por algumas horas, dias, a construir esse sentimento em muitas pessoas. Não foi a informação que cada palestrante passou, mas o clima, a energia, a emoção de todo aquele dia, do espírito das pessoas. Pode sair algo muito bom daí.

Um evento muda alguma coisa?

Dessa minha relação meio maluca do TEDxSP com o nível 5 do Tribal Leadership, fiquei me perguntando: será que um evento consegue mudar as pessoas? Minha resposta é não. Não é o evento que vai mudar as pessoas. Mas cada um, que estiver pronto, estiver querendo mesmo mudar, pode mudar pelo que viu, mas principalmente pelo que pensou, refletiu e decidiu fazer. E olha que eu sei que é difícil mudar. Tem um monte de coisas que quero mudar em mim, e estudo, leio, tento, converso, e as coisas andam mais devagar do que eu queria.

O TEDxSP vai me mudar? Não. Mas as coisas que eu fizer com o TEDxSP podem me mudar sim.

Feedback

O que você achou dessas minhas reflexões sobre o TEDxSP? Gostaria muito de saber sua opinião.

#TEDxSP: impressões ao vivo

IMG_0662

Estamos aqui no teatro Mooca, iniciando o TEDxSP. Vou tentar postar impressões ao vivo. Só há dois dias na vida que não se pode fazer nada: ontem e amanhã. Apresentador do TED pede que hoje se aproveite o hoje, em cada momento. Primeira performance foi do pianista Vitor Araujo.

Para ver fotos, acesse mcavalcanti.posterous.com

Para ver os tweets, acesse twitter.com/mcavalcanti

Vou participar do @TEDxSP, 14-11-09 #euvou #TEDxSP

Picture 1

TEDxSP

Amanhã, sábado 14-11-09, vou participar do TEDxSP, primeira edição independente do TED realizado em SP. Estou com uma altíssima expectativa do evento e acredito que eles vão se superar. Eu nem sei direito como consegui um convite. O time de palestrantes está excelente, diferente de qualquer evento que já fui. E a organização parece estar cuidando de todos os detalhes. Vou tentar blogar e twittar do evento. Vamos ver se consigo.

Sobre o TEDxSP (por eles mesmos)

O TEDx São Paulo é uma conferência sem fins lucrativos que reunirá mais de 30 pensadores de áreas de conhecimento tão diversas quanto arte e tecnologia, ciência e negócios, para falar sobre suas melhores ideias em palestras com duração de 5 ou 15 minutos. O tema desta primeira edição do evento será: O que o Brasil tem a oferecer ao mundo hoje?

Programa

Fabio Colletti Barbosa paulistano acredita que é possível fazer negócios e ao mesmo tempo cuidar das pessoas e do meio ambiente. Presidente do grupo Santander Brasil, começou a implantar sua estratégia de sustentabilidade nos negócios no ano 2000, no Banco Real, que hoje faz parte do grupo. São ações como linhas de crédito para empresas que querem se adequar aos padrões ambientais e a retirada de companhias que prejudicam o ambiente de sua lista de clientes. O plano virou objeto de estudo em Harvard e rendeu ao Real diversos prêmios na área de sustentabilidade. Como presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Fabio leva o conceito de empresa socialmente responsável para além do grupo que preside, influenciando todo o mercado de forma positiva. Um de seus lemas é o ganha-ganha-ganha, ou “dar certo, fazendo a coisa certa, do jeito certo”.

Francisca Simões Cavalcanti é Engenheira Agrônoma, pós-graduada em Fitotecnia pela Universidade Federal do Ceará, fundadora do Horto de Plantas Medicinais da UFC. Esteve a frente da curadoria do Herbário Prisco Bezerra-EAC da UFC por 17 anos, onde realizou expedições de coletas botânicas pelo nordeste. Sua maior missão é trazer informações comprovadas cientificamente sobre a ação farmacológica das plantas medicinais.

Danilo Mendes é Publicitário e abandonou o universo das grandes empresas para participar da fundação de uma start-up em um segmento cada vez mais crucial para o mundo: a água. Em seu trabalho na Brahma e na Tetrapak e, posteriormente, no mercado de tecnologia, na Nokia, na Siemens e na LG, Danilo foi se especializando na área de marketing e vendas, desde a concepção do produto até o canal com o consumidor. Em 2007, ele decidiu aplicar esses conhecimentos em uma nova empresa, que fundou com quatro sócios: a HNF Water, que produz soluções inovadoras em água.

Samara Werner abandonou a carreira de desenvolvedora de sistemas em uma grande empresa para atuar na área de educação. Hoje, é Diretora de Projetos do Oi Futuro, instituto que investe na tecnologia da informação e na comunicação como forma de promover o desenvolvimento das pessoas.

João Paulo Cavalcanti é Publicitário e está sempre de olho no que está acontecendo de novo no mundo. Fundada com outros sócios, sua agência, a BOX1824, é uma das principais empresas de pesquisa de mercado e tendências de comportamento de consumo da América Latina. A BOX usa técnicas novas para detectar o que as pessoas pensam e desejam, especialmente nos mercados emergentes do BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China.

Anisio Campos é uma lenda viva do automobilismo brasileiro. Ex-piloto, ele tem 60 anos de experiência no design e construção de carros. Seus desenhos trazem uma forte marca pessoal, se diferenciando do que existe no mercado de massa. Anisio foi responsável por projetos ousados, como o primeiro bugue nacional, fabricado pela Kadron, o Puma DKW, o carro de corrida Hollywood Berta, e o Carcará, recordista brasileiro de velocidade em linha reta. Entre os projetos mais recentes, estão os modelos 828 e 012, desenvolvidos para a Obvio!, empresa brasileira de compactos para três pessoas.

Valério Paz Dornelles inventou uma nova forma de levantar paredes – e sua inspiração foi o filho de 7 anos brincando com Lego. Criado em 2000, o novo sistema de construção era baseado em tijolos de tamanhos diferentes, que podem ser encaixados da mesma forma que as peças do brinquedo. Isso reduz o tempo de levantamento de paredes pela metade e evita o desperdício de materiais.

Maria Alice Setubal é Socióloga, mestre em ciências políticas pela USP e doutora em psicologia da educação pela PUC-SP. Atualmente, se divide entre a diretoria do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária) e a Fundação Tide Setubal. Filha de um dos banqueiros mais poderosos do país, Olavo Setubal, preferiu dedicar-se em tempo integral à educação, encarando a dura realidade de um trabalho que caminha como uma urgente demanda da desigualdade social. Sem cair no assistencialismo, procura colocar a comunidade à frente da busca por soluções.

Sandro José de Souza é Biólogo, graduado pela Universidade Federal do Paraná (1989) e Doutor em Bioquímica pela Universidade de São Paulo (1993). De 1995 a 1998, foi Pew Latin American Fellow na Universidade de Harvard. Atualmente é membro associado do Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer. Na área de Genética, trabalha com ênfase em Bioinformática e Genômica, atuando principalmente nos seguintes temas: câncer e evolução molecular.

Roberta Faria é Jornalista, co-fundadora da Editora MOL, que desenvolve soluções customizadas de comunicação por conteúdo, produzindo jornalismo e design para atender a estratégias e necessidades de informação e entretenimento de seu público. Com a revista Sorria, lançada em 2008, inaugurou um modelo de negócio que contraria as regras do mercado e os modelos editoriais.

Antônio Veiga é mestre em Psicologia Clínica, pela PUCRS. Atualmente, é Diretor do Instituto de Psicologia Clinica e Pesquisa no Desenvolvimento Humano e Professor de Pós-Graduação. O ensino tem como foco seu método de terapia de revivência transpessoal (TRT), a partir de uma técnica, também própria, de regressão de memória. Seu estudo envolve um levantamento minucioso das possibilidades psíquicas (mentais, emocionais, intuitivas e somato-sensoriais) do ser humano através de diferentes estados ou graus de consciência. Já nos momentos de folga, prefere escrever crônicas e dedicar-se à sua coleção de minerais.

Adozinda Kuhlmann, ou Dona Adozinda, como é conhecida, traz 75 anos de experiência como educadora. Aos 92 anos, ainda leciona, dando aulas de reforço e trabalhando com a alfabetização de pessoas com deficiência física e mental. Seguindo as lições de seu pai, faz tudo com o máximo de dedicação, persistência e entusiasmo. Também escreve poesias e letras de musica, sendo que duas foram feitas especialmente para os cantores Zeca Pagodinho e Roberto Carlos.

Osvaldo Stella é Engenheiro Mecânico, Doutor em Ecologia e atua como Coordenador de Projetos do Programa de Mudanças Climáticas do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia). Ambientalista atuante, acumula diversos projetos de pesquisa com foco em Planejamento Energético e Mudanças Climáticas. Entre eles, um Projeto Piloto na Estação de Tratamento de Esgoto de Barueri (SP), que estuda a geração de energia elétrica a partir de biogás de tratamento de esgoto.

Denis Russo Burgierman é Jornalista. Trabalhou como Diretor de Redação da revista Superinteressante e esteve à frente de projetos especiais da Editora Abril. Assinou matérias polêmicas, que apresentavam temas como a homossexualiadade com base na vasta diversidade de comportamentos sexuais entre os bichos.

Carlos Buby é Babalorixá, nascido em berço católico, no interior de Alagoas. Aos sete anos, migrou com sua família para São Paulo. Desde jovem, despertou para a música e em 1967 ganhou o primeiro e terceiro lugar do I Festival Colegial da Música Popular Brasileira, com duas músicas que foram em seguida censuradas pelo regime de exceção. O fato causou uma tremenda frustração que levou Carlos Buby a ingressar na Umbanda em busca de respostas existenciais e de espiritualidade.

Eduardo Moreira é Filósofo, graduado pela UFMG, Ator, Diretor e Fundador do grupo Galpão de teatro, sediado em Belo Horizonte. O Galpão é um dos grupos mais conhecidos do Brasil, principalmente por sua pesquisa de teatro de rua e de linguagens populares.

Casey Caplowe é Co-Fundador da Good Magazine, revista com conteúdo voltado a pessoas que querem viver bem e fazer o bem. Em 2006, o titulo foi considerado um dos lançamentos mais “quentes” do ano por Samir Husni, mais conhecido como Mr. Magazine, um dos maiores peritos em revistas do mundo.

Luiz Algarra é Designer de Redes Sociais e Consultor Organizacional. Sempre atuou como pioneiro em comunicação, rádio, TV e Internet. Quando a discussão em destaque era a Constituinte, articulou, montou, colocou no ar e divulgou na imprensa a TV LIVRE-CANAL Sorocaba: a primeira emissora clandestina de grande abrangência no Brasil. Atualmente, é membro-fundador da Papagallis, uma rede de pessoas que trabalha para que as pessoas encontrem a partir de suas individualidades, fluxos de ação harmônicos, ainda que não haja consenso entre ideias e opiniões.

Ronaldo Lemos é Diretor de Tecnologia e Sociedade da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas e do Creative Commons Brasil. Mineiro, de Araguari, é o único latino-americano entre os nove integrantes da cúpula do Creative Commons. Entre seus livros publicados, estão “Direito, Tecnologia e Cultura”, além do “Tecnobrega: O Pará Reinventando o Negócio da Música”.

Paulo Saldiva é um Cientista militante que pesquisa os impactos da poluição urbana na saúde dos cidadãos. Saldiva é chefe do serviço de patologia do Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da USP e coordenador do Instituto Nacional de Análise Integrada de Risco Ambiental do CNPq. Desloca-se para o trabalho de bicicleta atravessando as principais veias da cidade de São Paulo, pois acredita que assim economiza tempo e ganha saúde.

Regina Casé nasceu num dia de Carnaval, no bairro de Botafogo. Fez faculdade de comunicação, filosofia e história – mas não concluiu nenhuma. Preferiu seguir carreira de atriz. Fundou o grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone nos anos 70, ganhou o prêmio Molière aos 23 anos com a peça Trate-me Leão. Entre seus sucessos como atriz destaca-se a estréia de TV Pirata, em 1988, que revolucionou o humor na tv brasileira. Tinha ao seu lado, entre outros, Guel Arraes, Luís Fernando Veríssimo e os integranes do Casseta e Planeta. Em 1989, conheceu o pesquisador Hermano Vianna. Foi o início de uma virada na carreira. Juntos, ele criaram um grupo de estudos e parcerias profissionais que fizeram Regina mudar o foco do seu trabalho – da arte para a antropologia. E foi daí que nasceu a nova fase produtiva: Brasil Legal, Muvuca, Central da Periferia.

Flavio Deslandes é um Designer carioca radicado na Dinamarca desde 2000, Flávio Deslandes já criou mais de dez tipos de bicicleta com bambu nativo do Brasil colhido a dedo e talhado a mão. Ao longo de anos, Flávio desenvolveu máquinas, ferramentas e processos especiais para trabalhar com bambu. Um dos modelos de bicicleta que desenhou possui quadro, canote, guidão e até paralamas em bambu.

Guti Fraga é Jornalista, Ator e Idealizador do projeto Nós do Morro. Guti trabalhava como ator e diretor de cena, quando, em 1986, decidiu montar um grupo de teatro com jovens moradores da favela do Vidigal. Começou dando aula para uns poucos alunos num centro comunitário comandado por um padre austríaco-alemão e hoje mantém uma companhia teatral e um teatro de 50 lugares, além dos cursos de formação em artes cênicas (atores e técnicos) e cinema (roteiristas, diretores e técnicos)

Fernanda Viégas é Pesquisadora e Designer Computacional, Fernanda Viégas especializou-se em transformar informações e estatísticas em gráficos super visuais. Representante de uma disciplina apelidada de data visualization (visualização de dados), um de seus projetos mais importantes foi o desenvolvimento do site Many Eyes.

Silvio Meira é um dos maiores Pesquisadores de Engenharia de Software no Brasil, é Cientista-chefe do C.E.S.A.R (Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife), instituto de inovação privado e sem fins lucrativos que atua na área de tecnologia da informação e comunicação com duas frentes: desenvolvimento de produtos (em áreas como TV Digital, mobilidade, aplicações de web, open source e inteligência artificial) e incubação de empresas (já criou mais de trinta novas empresas de TI).

Milena Boniolo é Química e concentra suas pesquisas na descontaminação de águas. Em 2006, ganhou o Prêmio Jovem Cientista do CNPq por um estudo que propôs uma solução simples e barata para limpar metais pesados da água: o uso da casca de banana. As bananas são cortadas em pedaços pequenos, expostas ao sol e depois batidas e passadas em peneiras. O pó obtido limpa íons de urânio, e outros metais pesados, da água.

Augusto de Franco é Escritor, Consultor e um dos netweavers da Escola-de-Redes, uma rede de pessoas dedicadas à investigação sobre redes sociais e à criação e transferência de tecnologias de netweaving. Carioca, intelectual e militante na época da ditadura militar, envolveu-se com projetos de ação social. Trabalhou com Betinho e Ruth Cardoso. Autor de 20 livros, como “Capital Social”, “Por que precisamos de Desenvolvimento Local Integrado e Sustentável”, “Alfabetização Democrática”, “Escola de Redes: Novas Visões” e “Escola de Redes: Tudo que é sustentável tem o padrão de rede”. Mais sobre o escritor em seu site.

Vídeo de apresentação

Se você também vai, quero te conhecer. Se você não vai, vou tentar postar novidades por aqui. :-)

Tony Hsieh, da Zappos, palestra na #INC500

Tony-Hsieh-Zappos-Inc500

O primeiro dia oficial da conferência INC500 foi na quinta-feira 24 de setembro de 2009, em Washington DC. O evento contava com mais de 1.700 pessoas, o maior de todos os tempos. Jane Berentson, editora da revista, perguntou: há crise entre empreendedores? Ao iniciar, passou um vídeo de poucos minutos do Bill Clinton, onde ele falou do valor dos empreendedores e estimulou as pessoas a desenvolverem trabalhos voluntários, sua maior bandeira hoje.

O primeiro palestrante foi Tony Hsieh, CEO e fundador da Zappos, recentemente adquirida pela Amazon por quase US$ 1 bilhão. Eu admiro o trabalho do Tony desde o início desse ano, quando conheci a empresa, lendo na web. Ele é muito aberto, responde no twitter. É incrível. E a empresa tem uma fama de excelência no atendimento ao cliente. Para se ter uma ideia, ele me mandou por Fedex, o livro da cultura da Zappos de graça, aqui para o Brasil, depois que eu conversei com ele por twitter e email. Não acreditei quando o livro chegou poucos dias depois no meu escritório aqui em Piracicaba.

Tony contou uma série de histórias bacanas relacionadas a empresa dele e sua história pessoal. Falou bastante sobre atendimento ao cliente e cultura da empresa, um dos meus principais focos hoje.

feature-66-zappos1-pop_1

Leia abaixo minhas principais anotações.

O objetivo da Zappos é levar a loja de sapatos para sua casa. Por isso têm frete grátis ida e volta. Se não gostou, pode devolver, sem custos. Em tese, você pode encomendar sapatos, para experimentar, ficando com os que te interessam ou servem. Se você não gostar, tem até 365 (um ano!!) para devolver, sem custo e recebendo seu dinheiro de volta. Na prática, você compra muito mais. Em especial nos EUA, onde o pessoal é muito bom para consumir :-)

Tony tem hoje mais de 1,3 milhão de pessoas seguindo ele no twitter. E ainda consegue responder a brasileiros como eu.

A Zappos recebe visitantes em sua sede em Las Vegas. Quem foi, diz que é incrível. Se eu for a Las Vegas, irei visitar com certeza. Uma pessoa visitou os escritórios deles, fez com que uma atendente checasse quanto a esposa já tinha gasto com eles. Ficou surpreso com o valor total: US$ 62.000 dólares. Isso que é cliente valioso, mas que só existe porque eles atendem excepcionalmente bem.

Seu sócio se chama Alfred, e diz que o conheceu nos tempos de faculdade, quando Tony montou um negócio de venda de pizza. Alfred comprava todas as noites. As vezes voltava mais tarde e comprava outra pizza. Sempre comprava o tamanho grande. Tempos depois, Tony descobriu que Alfred comprava pizzas para revender nos dormitórios da faculdade por pedaço. Ou seja, não tinha nenhuma estrutura, custo fixo, etc, e tinha uma rentabilidade muito maior que eles, que produziam a pizza. Tony brincou que daí descobriu que tinha encontrado o homem certo para cuidar das finanças.

Entre 1996 e 98, montou empresa chamada LinkExchange. Quando tinha mais de 100 funcionários, percebeu que não se dedicava a cultura da empresa. E com isso não tinha mais empolgação para ir trabalhar lá todos os dias. Não era um local onde se orgulhava, onde se sentia animado. Vendeu a empresa para a Microsoft por mais de US$ 200 milhões. Com parte dessa grana, montou um fundo de investimento em internet. Mas também não se divertia.

A Zappos foi uma das empresas que ele investiu. Gostou e foi trabalhar lá full time. Com as experiências anteriores, e já tendo ganhado muito dinheiro, percebeu que queria montar um negócio que se orgulhasse. Daí surgiu toda a preocupação em construir uma empresa com um cultura especial, que deixe sua marca, que faz diferente e faz a diferença. Eu achei essa parte muito interessante.

Tony diz que a Zappos não vende só sapatos. É uma empresa “powered by service”, ou seja, sua competência central é saber atender muito bem. Ele se inspira na Virgin, que atua em inúmeros negócios diferentes, mas com uma cara única, uma cultura central, que está sempre presente. Diz que pode entrar em qualquer negócio. Quem sabe daqui 20-30 anos não estaremos trabalhando com aviação, brincou.

Em 2009, a Zappos foi a número 23 na lista das 100 melhores empresas para se trabalhar, no levantamento da revista Fortune. Afirma que esse é um dos melhores prêmios que poderia receber.

Hoje, 75% das vendas são de clientes que já compravam. Ou seja, o valor de cada cliente tende a ser alto, a fidelidade dos clientes é alta. E isso, junto com boca-a-boca positivo, são dois direcionadores muito fortes de rentabilidade.

A Zappos tem o número 0800 (nos EUA é 1-800) no topo de todas as páginas do site da empresa. Muitas empresas fazem o contrário, escondem no site o número do seu telefone, pois é mais “barato” atender pela web apenas. Tony pensa o contrário. Pergunta “Como fazer sua marca aparecer quando todo mundo está anunciando?” A resposta da Zappos é o telefone. “Telefone é muito bom, você tem de 5 a 10 minutos de total atenção do seu cliente”. E quase nunca vende nessa primeira ligação.

Contou, arrancando risadas da plateia, que o recorde de ligação mais longa até o momento na Zappos é de incríveis 5 horas e 57 minutos. “Muitos ligam porque estão mal. Outros querem uma assessoria para saber o que vestir num casamento que irão participar no dia”. Eles estimam que cada cliente vai ligar pelo menos uma vez durante o período que comprar da Zappos. E eles querem que essa impressão seja excelente.

A empresa tem um treinamento muito completo de atendimento e se preocupa muito em contratar pessoas muito alinhadas com a cultura da empresa, mas não há scripts de atendimento ao telefone, muito menos limites, como por exemplo, tempo máximo de uma ligação. Não tem procedimento, mas se as pessoas entenderem a cultura, tudo fica mais fácil. Tudo isso parece muito estranho, pouco eficiente, e que o custo vai “comer” todo possível retorno. Não é o que parece estar acontecendo.

Muitas vezes, fazem upgrade surpresa para over night shipping (entrega no dia seguinte). As vezes, a pessoa compra à noite e no outro dia recebe em casa, em menos de 8 horas. Isso gera um fator UAU! no cliente. Quando não tem o produto, procuram e indicam o cliente para o site do concorrente. “Perdemos essa venda, mas reforçamos o relacionamento de longo prazo. Esse cliente volta. Não estamos aqui para fazer apenas uma venda”.

Cultura da empresa e seleção

“Nosso foco número 1 não é atendimento ao cliente, mas a cultura da empresa”. É a cultura que garante esse atendimento especial. A seleção é um dos pontos mais importantes, e é baseda na técnica (o candidato sabe desempenhar aquela função) e na cultura (o candidato está alinhado com a cultura da empresa). Demitem pessoas que são boas tecnicamente, mas não têm a cultura da Zappos. Todos contratados têm que trabalhar 2 semanas no call center, entendendo clientes, independente da função que irão desempenhar. Depois de selecionar, contratar, e treinar por 1 semana, oferece US$ 2000 para a pessoa sair. Não querem que a pessoa fique apenas pelo dinheiro. Esse é um dos testes mais radicais para saber se o candidato está alinhado.

A Zappos é felicidade dentro de uma caixa, e são os clientes que dizem isso. O tema da palestra era esse mesmo: entregando felicidade. O livro anual sobre cultura (que eu ganhei) é uma compilação de textos dos funcionários sobre o que é a cultura da empresa, sem censura, sem cortes, sem direcionamento. Disse também que o twitter ajuda a fortalecer a cultura. Fizeram até uma página que reúne todas as contas de funcionários: twitter.zappos.com.

Na apresentação, ele cita várias matérias da impresa, prêmios, etc, mas diz estar mais preocupado em ouvir seus clientes. Eles têm 11 milhões de clientes, sendo que 4 milhões compraram nos últimos 12 meses. O faturamento está na casa do US$ 1 bilhão.

Os 10 valores centrais da Zappos:

  1. Gere UAU! pelo serviço
  2. Abrace e estimule a mudança
  3. Seja alegre e até um pouco “estranho”
  4. Se aventure, criativo e cabeça aberta
  5. Busque o crescimento e o aprendizado
  6. Construa relacionamentos abertos e verdadeiros
  7. Contrua uma equipe positiva e com espírito de família
  8. Faça mais com menos
  9. Seja apaixonado e determinado
  10. Seja humilde

“Cultura são valores que as pessoas podem (e querem) se comprometer”.

Algumas perguntas que eles fazem nas entrevistas:

  • Numa escala de 1-10, quanto “estranho” (weird) você é? Os extremos não servem. Querem ter pessoas meio malucas. E é claro, não tem um número certo.
  • De 1 a 10, quão sortudo você é? Nota baixa não serve. Contou a história do teste com com jornal falso, onde os candidatos tinham que contar o número de fotos. E no texto do jornal, tinha a resposta em letras garrafais. As pessoas que se achavam sortudas viam a resposta, os outros não. Se achar sortudo é estar aberto a ver outras coisas. Achei muito interessante.

Frases:

  • “Não importa quais são seus valores, mas se você se compromete com eles verdadeiramente”.
  • “Não importa no que estiver pensando, pense grande. Não corra atrás do dinheiro, mas da visão, do seu sonho”.
  • “O que você teria paixão em fazer, por 10 anos, mesmo que não ganhasse nada no final?”
  • “Qual a visão e propósito do seu negócio, que vai além do ganhar dinheiro, do lucro?”

Transparência

Eles contam muito do negócio deles, são abertos. Podem até passar informação a concorrentes, mas tem milhares de pessoas falando sobre seu negócio, admirando a empresa, melhorando a Zappos. Vale a pena.

Inspiração X Motivação

Outro ponto que ele tocou que gostei muito foi inspiração versus motivação. Falou “não se preocupe com motivação, mas com inspiração”. Outro ótimo ponto para reflexão. Será que estou inspirando minha equipe, meus parceiros, minha rede?

Felicidade

Tony focou a parte final da palestra em felicidade. “Eles podem não se lembrar do que você falou ou fez, mas vão se lembrar sobre como se sentiram”. Esse trabalho de se preocupar em fazer o consumidor se sentir bem é muito interessante e pode ajudar muito sua empresa. Li num post sobre a INC500, que grandes marcas não se definem pelos seus produtos, mas pelos sentimentos que geram nos seus clientes. Uma ótima reflexão para qualquer negócio, e sobre as pequenas coisas que podemos mudar, que melhora isso.

O que procuramos na vida? Se você for olhar a fundo, todo mundo está buscando a felicidade. No entanto, vários estudos têm mostrado que as pessoas são muito ruins em prever o que vai trazer real felicidade. Acham que é tendo alguma coisa, alcançando alguma coisa.

Tem muita ciência envolvida em muitos fatores relacionados aos negócios: testes, conversão, marketing, persuasão, etc. Há também ciência ligada a felicidade. “E se investissemos um pouco mais em entender a ciência da felicidade?”

Ele disse que há três formas, etapas da felicidade: astro de rock (atrás de mais um pico de emoção), flow ou fluxo (engajamento, não vemos o tempo passar) e significado/propósito (fazer parte de algo maior do que você mesmo).

Terminou recomendando alguns livros:

  • PEAK, de Chip Conley
  • TRIBAL LEADERSHIP, de Dave Logan, John King & Halee Fischer-Wright (esse ele oferece grátis aqui)
  • FOUR HOUR WORK WEEK, de Tim Ferriss
  • HAPPINESS HYPOTHESIS, de Jonathan Haidt

“Se a pesquisa/ciência mostra que participar de algo maior, ter um significado/propósito, leva a felicidade, o que você está fazendo nesse sentido para sua empresa, para sua equipe e seus clientes?”

Tony Hsieh é um ótimo contador de histórias. E contou muito bem a história da empresa, a história dele, seu propósito de vida. Foi uma inspiração ouvi-lo falar.

Veja os slides completos da palestra:

Small Giants, primeiro evento da #INC500, em Washington DC, EUA

mojo-fish-small-giants-inc500

No primeiro dia dia da conferência INC 500, nos EUA, no final de setembro, participei de uma reunião extra, opcional, que me surpreendeu demais. Era o lançamento de uma comunidade de empreendedores “small giants”, ou pequenos gigantes.

Esse termo foi cunhado por Bo Burlingham, editor da revista INC. Ele estudou empresas que optaram por serem ótimas e não grandes. Ainda não li o livro, mas está na minha lista, com autógrafo e tudo.

Interessante que nessa pequena reunião (umas 35 pessoas) também tinha pessoas de diversos países, inclusive do Brasil. Raul Candeloro e a mulher (editora da revista Venda Mais) estavam por lá. Raul tem aqui no Brasil uma comunidade inspirada no Small Giants. Se chama Clube dos 100.

Veja abaixo meus principais comentários sobre essa reunião da Small Giants Community, que gostei muito. O evento teve três partes: apresentação inicial do conceito, debate com vários pequenos gigantes e um coquetel ao final.

bo-e-os-brasileiros-na-inc500

Apresentação do conceito da comunidade

  • Uma das coisas em uma empresa small giant é que você nota que está numa ao entrar, é automático.
  • Paul Spiegelman, que está montando a comunidade, escreveu um livro (Why everybody is smiling).
  • O slogan dessa comunidade é “Its not what we do, its who we are”, ou não é o que você faz, mas quem você é
  • Nunca trabalhei em uma grande empresa. Cuidamos do nosso pessoal primeiro, e tocamos nosso negócio assim. Como cuidamos das pessoas como cuidamos da empresa.
  • Ele tem uma empresa de telemarketing premium, cobra mais caro e é 5-6 vezes mais rentável que empresas do setor.
  • Quer montar uma comunidade global de empreendedores com mindset especifico. Com propósitos similares, mesmo atuando em diversos mercados e países.
  • Uma das primeiras coisas que estão montando, em especial depois dessa primeira reunião, são “safaris” entre empresas. Assim você pode conhecer “in loco” a realidade de uma small giant.
  • Uma das ideias mais malucas, que eu gostei, foi um job rotation radical, onde uma pessoa trocaria de empresa por 3-6 meses, conhecendo mais sobre a cultura.
  • Após a apresentação, Bo fez questão de pedir a opnião das pessoas. Queria ouvir o que as pessoas não gostaram. Foi bacana pois as pessoas se abriram, criticaram mesmo. E com isso, ficou muito mais rico. Quem estava apresentando teve que “aguentar”, mas aprendeu muito. Vários por exemplo, disseram que os proposto inicial (us$500/ano) era muito pouco.
  • Paul disse ter uma equipe na empresa dele que permite que desenvolva novas atividades.
  • “A maioria das associacoes é uma burocracia que não entrega nada”, foi uma das frases que ouvi, ao comentarem sobre uma nova entidade/empresa/associação. “Não pode apenas pagar com dólares, tem que pagar com sangue”, foi como um dos participantes disse que tinha de criar mecanismos que envolvesse mais as pessoas.
  • Querem “criar uma comunidade que muda o jeito de fazer negócios”.
  • “Muitas pessoas que conheci melhoraram meu negócio e me ajudaram a me tornar uma pessoa melhor”.

debate-ceo-inc500-small-giants

Debate com os pequenos gigantes

Após a apresentação inicial e comentários, se formou um debate com vários ilustres. Um deles era Norm Brodski, que admiro muito na INC e adorei seu último livro The Knack.

Norm  Brodsky:

  • “Eu era um pequeno ditador, depois virei um pequeno gigante”. Todos riram.
  • Minha primeira meta como empreendedor foi faturar us$ 100 milhões em um ano. Consegui, mas vi que era uma meta ruim. A empresa quebrou. Aprendi muito com isso, mas foi uma experiência péssima.
  • O maior trabalho do CEO é desenvolver a cultura da empresa. Temos que dar o tom. Mesmo na crise, falamos a todos que não iríamos mandar ninguém embora. Isso teve um efeito enorme. Os empregados se tornaram parceiros da empresa.
  • A melhor época de se criar uma cultura é durante crises como essa.
  • Não corte seus preços, de serviços extras.
  • Todos os concorrentes mandaram uma carta aos clientes falando que devido aos preços da gasolina, iriam aumentar os preços. E eles mandaram uma carta dizendo que não iriam aumentar os precos, para todos os clientes, depois para todos os clientes da concorrência :-)

Ari Weinzweig da Zingerman e ZingTrain (e outras empresas, todas em Ann Harbor):

  • Trabalha com comida tradicional, slow food. Não está nesse mercado porque é mais caro, mas porque é o que mais acredita. Trabalha com “real food”, como definiu.
  • Não queria crescer, não era pelo dinheiro.
  • Várias empresas poderiam crescer rápido, mas escolheram não fazer isso, pois tinham outras prioridades.
  • “Não fizemos nada muito diferente. Tínhamos uma visão clara, para 2020. Foco na sustentabilidade. Dedicação em trazer uma boa comida, em oferecer um bom serviço”.
  • Interessante que ele tem uma série de negócios ligados a comidas especiais, como delicatessen. E com isso criou uma empresa de treinamento, onde ensina como atuar como ele faz, para pessoas dos mais diversos setores. Achei super interessante.
  • Ari recomendou o livro “Ignore evrybody”, do Huhg McLeod, que acabei de ler e gostei muito.
  • O maior erro é não seguir seu sonho. Siga sua intuição, seu estômago.
  • “Siga sua paixão, mas faça as contas”. Adorei essa frase.
  • “As pessoas precisam ver quem você é.”

Outras frases, que não marquei de quem era:

  • Todo mundo começou num “momento ruim”.
  • Um dos comentaristas no debate fala que monta uma empresa e vende, monta e vende. Começa e vende: esse é seu negócio. Desde o início da crise, vem comprando empresas, sem demitir, mas sem lucros. Quando o mercado voltar, terá uma empresa com o dobro do tamanho pré-crise, com ótimos resultados. É um otimista, sobrevive na crise, para detonar quando voltar ao normal.
  • “Está dificil? Sim, como sempre. Esta diferente, não mais dificil”.
  • A maioria das small giants se sente sem graça de ser chamado de small giant.
  • Todo sall giant quer deixar sua marca no mundo, quer mudar o mundo, melhorá-lo, a seu jeito.
  • Não é fácil, tem que se dedicar 110% a sua ideia. Tem que ter uma causa.
  • David x Golias: melhor usar armaduras ou ser você mesmo?
  • Competimos, mas de uma forma diferente, reposicionando o mercado.
  • Quem está entrando no mercado de trabalho, quer fazer a diferença. Por isso precisa de uma cultura, isso é o mais importante para eles hoje.

O coração da economia dos EUA está nos pequenos negócios (no Brasil é o mesmo). Eles querem usar esse grande conhecimento acumulado nessas empresas e criar formas (site, comunidade, livros, cursos, safaris, etc) para difundir esse conhecimento e essa maneira de trabalhar. Gostei muito da ideia. Um formato que me interessou muito como cliente também.

Foi o primeiro dia, um evento meio despretensioso. Me surpreendeu. Pude conhecer pessoalmente pessoas incríveis, conversar. Pude aprender, ao vivo com excelenes empreendedores. O evento INC 500 foi excelente, muito melhor que o Mixx, na minha opinião. Nos próximos dias, pretendo postr diariamente sobre o evento, que considero parada obrigatória daqui em diante (já estou planejando o 2010).

got-mojo-small-giants-inc500

Ashton Kutcher, no encerramento do #Mixx 09, em NY

ashton-kutcher-iab-mixx

Ashton Kutcher, mais conhecido como o marido da Demi Moore, ou o cara que chegou primeiro a ter mais de 1 milhão (!!) de seguidores no twitter, foi a palestra-entrevista encerramento no Mixx 2009, em NY, que aconteceu dias 21 e 22 de setembro.

Ashton Kutcher me surpreendeu, até porque minha expectativa era muito baixa em relação a apresentação dele. Fiquei meio que pré-julgando: lá vem um galã americano dizer umas baboseiras sobre mídias sociais e todo mundo vai bater palmas (em especial as mulheres). É claro que a mulherada não decepcionou, o frisson foi engraçado no evento.

O Sr. Kutcher sabe do que está falando. Ele obteve realmente um feito inédito no twitter e tem hoje cerca de 3,8 milhões de seguidores. Um número incrível.

ashton-kutcher-iab-mixx-09

Algumas anotações que fiz sobre a entrevista do Ashton Kutcher:

  • “Nós vivemos em público”. Saber disso ajuda e muito. Eu entendo que cada vez mais tudo o que fazemos será público. Se você faz o bem, é tranquilo. Mas se você é um picareta, vai ficar cada vez mais complicado se dar bem. Além de vivermos em público, agora é mais fácil rastrear o que você fez há 10 anos atrás. A memória da internet é muito boa. “Nós vivemos em público” também se aplica a marcas, a empresas.
  • “Vídeos curtos, de 3-5 minutos, são um ótimo formato de interagir com seu público”. Achei interessante, pois ele mostrou alguns exemplos e me confirmou mais uma vez que vídeo é a nova fronteira da internet. O potencial de impacto é muito maior do que com texto (apesar de dar muito mais trabalho fazer) e do que com apenas áudio. Ele falou de uma empresa de compartilhamento de vídeos com duração máxima de 12 segundos!
  • Honestidade será um grande ativo. Ele deu como exemplo a indústria de filmes nos EUA, que é muito fechada e que está indo (sendo forçada) a se tornar mais aberta, mais honesta. “Não dá para usar maquiagem na web”.
  • “Se conecte, compartilhe, colabore”. Essas três palavras formam o mantra do Ashton Kucther. Meio simplista, mas como ouvi hoje (19-10) “Nas mídias sociais, o difícil não é planejar, mas executar“.
  • “Produza conteúdo que seja sinônimo da sua marca”. Se as pessoas compartilharem seu conteúdo, estarão falando da sua empresa. Concordo 100% com isso.

No início da palestra dele, fiz uma piadinha no twitter, sobre como obter 1 milhão de seguidores: namore a Demi Moore ;-)

Interessante que a maioria das coisas que procurei, feitas pela empresa dele na web, quando clicado, vai para o Facebook. Não tem site, apenas direciona para uma “fan page” ou app page” do FB. Um exemplo aqui.

Outra coisa que mandei para o twitter durante a palestra dele é que ele acha que na internet, você pode ser o Roberto Marinho de si mesmo (em outras palavras, é claro). Essa é uma frase do Marcelo Tas, o rei do twitter no Brasil.

Para finalizar, uma foto do casal ;-)

ashton-kucther-demi-moore

Mixx 2009: valeu a pena? O evento em si, as palestras, não pagaram a viagem. Não valeria a pena ir só para isso. Mas valeu a pena passar dois dias em NY (sempre bom), e conhecer muita gente interessante que trabalha com internet no Brasil. Não sei se vou em 2010, se for, vou na feira de stands.

Nikesh Arora, diretor global de vendas e operações do Google, no #Mixx 09

nikesh

Nikesh Arora foi um dos melhores palestrantes do Mixx 09, que aconteceu em 22 e 23 de setembro, em NY. O tema da palestra foi “O fim do marketing digital?”.

Antes chamávamos de telefone celular, hoje de telefone. Antes de carruagens sem cavalos, agora de carros. Antes TV a cores, agora só TV. Logo vamos chamar o marketing digital de apenas marketing.

Como todas as mídias, que quando surgiram, ainda passaram por um longo processo de evolução para se tornarem um sucesso (ex.: TV, rádio, etc), a internet, o marketing digital ainda vai evoluir muito frente ao que conhecemos hoje. Criticar o que temos hoje é um passo para não enxergar o que vem pela frente.

Com o tempo, e a tecnologia, cada vez mais vamos ser capazes de entender quando, como e onde cada pessoa está consumindo conteúdo, informação e publicidade. E isso não será apenas na internet ou no celular. Em breve, TV e rádio serão mais e mais sob demanda, e com essas características de entender onde/como/quando está seu consumidor. E se adaptar a isso.

Arora disse que o marketing é a nova finanças, querendo dizer que quem entende de matemática vai ter uma vantagem no novo marketing. Métricas serão cada vez mais importantes. Ele deu um exemplo interessante: antes se fazia amostragem, hoje o Google faz um teste com toda a opulação. Lançar um produto beta não é mais um experimento em que se expõe seu produto a uma parcela, amostra da população. Agora você mostra a todo o seu mercado alvo. Essa é realmente uma mudança incrível, e o Google é um exemplo de como fazer isso bem.

Outro exemplo legal foi o de realidade aumentada. Ao se filmar/fotografar um edifício com seu celular, ele automaticamente acessa web, e checa onde você está, o que tem de dados sobre aquele prédio (história, informações, etc). Isso vai influenciar tudo, inclusive a publicidade. Imagine mostrar mensagens relevantes para a pessoa certa, no lugar certo, na hora certa. A matemática por traz disso tudo deve ser mosntruosa, mas é o sonho de consumo dos marketeiros. Essa nova tecnologia pode ajudar a tornar todo anúncio envolvente, uma vez que você mede os resultados e só mostra o que é relevante.

Outro comentário interessante dele foi que o inventário de mídia está crescendo de forma muito mais rápida do que a capacidade atual de vender publicidade sobre essa mídia. Um dos grandes desafios vai além a venda. É a organização desse inventário de conteúdo. Imagine quantas páginas do orkut ou Facebook seriam interessantes para centenas se não milhares de empresas. O problema é que hoje não se consegue separar essas páginas de outras com pornografia, xingamentos, agressões, etc. Essa incapacidade de filtrar, organizara e separar o “joio do trigo” torna mais difícil (para não dizer impossível) vender esses espaços.

Duas frases muito interessantes:

  • O santo graal da publicidade é fazer com que ela se pareça com informação.
  • No futuro, tudo estará muito próximo de você.

Veja o vídeo resumo, do IAB, abaixo:

Steve Wadsworth e George Bodenheimer, da Disney e ESPN, no #Mixx 09

Steve-Wadsworth-George-Bodenheimer-Disney-ESPN-Mixx

Steve Wadsworth e George Bodenheimer, altos executivos da Disney e ESPN (uma empresa da Disney, para minha surpresa), falaram da experiência de uma empresa que é líder em várias telas: TV, PC, celular. Foi uma palestra marcada pelo padrão americano de apresentação de executivos dos EUA, bem ensaiada. Parecem que tomam um grande cuidado de não falar nada fora do script. Mesmo assim foi interessante.

Alguns dos principais pontos que anotei e trouxe para cá:

  • Falaram que a ESPN há 10 anos deixou de ser uma empresa de televisão. O NY Times (jornal) também não quer ser jornal. :-)
  • “Nossa missão é servir fãs onde eles quiserem, não só na TV”. Distribuição de conteúdo agora é “everywhere”, para Disney e ESPN. A ESPN é pioneira em conteúdo e canais mobile.
  • “Compramos direitos de mídia (não apenas direitos de TV), e queremos transmitir de todas as formas”. Só a publicidade não vai pagar a conta toda. Estamos experimentando, um exemplo é a ESPN 360.
  • Um tema comum dos palestrantes do Mixx foi o foco no consumidor, não em um único canal de mídia para alcançá-lo. Talvez pensar só em internet também seja um erro (apesar da Amazon ser um sucesso).
  • “Vamos tentar nos diferenciar pela qualidade, pela marca, pela experiência”. Com barreiras de entrada diminuindo, marcas serão cada vez mais importantes.
  • A Disney é uma empresa que atua servindo clientes: mídia, parques, etc. Mas é preciso inovar sempre.
  • Um detalhe, muito importante do negócio da ESPN: 99% dos esportes são vistos ao vivo. É um dos únicos tipos de programa que precisam ser vistos ao vivo, logo ainda há um bom espaço para publicidade para TV. O exemplo clássico é o Super Bowl. Mas também é uma oportunidade para mobile.
  • “Patrocinar a barra inferior da tela do vídeo, com sua marca e informações de esportes é muito bom para quem anuncia. Temos como provar isso.”
  • “Clientes vem pagando menos por online do que analógico”. Diz não se preocupar. “O foco é qualidade, experiência do usuário”.

Gostei da apresentação, por mostrar uma empresa que atua classicamente na TV, mas está se aventurando (parece que com sucesso) em outros canais, como internet e movile. Por outro lado, fica muito claro que ninguém sabe muito bem onde tudo isso. Mesmos as grandes empresas, de sucesso, nos EUA, ainda estão “experimentando”. Quem bom. ;-)

Assista ao vídeo resumo da conversa:

Que ESPN: Há 10 anos deixamos de ser uma empresa de televisão.

NYTimes tb não quer ser empresa de midia

Nossa missao é servir fãs onde eles quiserem, não so TV

Compramos direitos de midia (não apenas direito de TV), e queremos transmitir de todas as formas

So a publicidade não vai pagar a conta toda

Estamos experimentando, exemplo ESPN 360

Common theme from speakers at MIXX – focus on the customer, not a single channel with which you reach them

Vamos tentar nos diferenciar pela qualidade, pela marca, pela experiencia.

Disney é uma empresa que atua servindo clientes: midia, parques, etc

Mas é preciso inovar sempre

Distribuicao de conteudo agora é everywhere para Disney e ESPN

Com barreiras de entrada diminuindo, marcas são cada vez mais importantes.

ESPN é pioneiro em mobile.

99% dos esportes são vistos ao vivo

É um dos únicos programas que precisam ser vistos ao vivo, ainda é um espaço para publicidade.

Mas também é uma oportunidade para mobile.

Patrocinar a barra inferior da tela do video, com sua marca e informações de esportes é muito bom para quem anuncia. Temos como provar isso.

Clientes vem pagando menos por online do que analogico.

Diz não se preocupar. O foco é qualidade, experiência do usuário.

Elisa Steele, CMO do Yahoo!, no Mixx 09

Elisa-Steele-CMO-Yahoo-mixx-09-ny

Elisa Steele, CMO do Yahoo!, foi uma das palestrantes mais criticadas do Mixx 2009 NY. Ela fez muito jabá da empresa e entregou pouco conteúdo. Teve a ousadia de repetir um vídeo institucional, não se contentando em passar uma vez.

Um dos brasileiros participantes do evento disse, ao assistir o vídeo: se trocasse o logo caberia várias empresas nesse vídeo, sem personalidade. Outro também brincou: a especialidade atual do Yahoo! é cometer erros estratégicos. Enfim, o Yahoo!, ao contrário da Apple e do Google, não é mais uma queridinha do público e da mídia. Parece que todo mundo (até eu, um pouco, tenho que confessar) olha torto quando eles anunciam algo novo.

yahoo-consumer-revolution-round-ii-mixx-09

Vou tentar sumarizar aqui, o que achei de interessante da apresentaçao dela:

  • Há um grande gap entre o que as pessoas esperam da publicidade online e o que entregamos.
  • O potencial de investimento na web é muito maior do que é realmente gasto.
  • Foco no consumidor, mas não preste atenção apenas em dados demográficos (olhe comportamento).
  • Falta simplicidade na internet.
  • Vão lançar a possibilidade de você usar o GMail dentro do Yahoo!, mostrando o foco no cliente, no conteúdo e não mais na tecnologia.
  • Idosos é um dos grupos que mais cresce na web.
  • As telas estão se expandindo na nossa vida, são cada vez mais numerosas e de tamanhos diferentes (mega televisões e pequenos celulares, interligados).
  • Não há online e offline, há a vida. É assim que as pessoas usam a web.
  • Você quer encontrar seu mundo: amigos, interesses, notícias, coisas locais. Ela chamou isso de “My world”.
  • E chamou “the world” as outras coisas. Disse que o Yahoo! está tentando juntar “meu mundo”, com “o mundo”.
  • Yahoo !perdeu o charme, mas parece estar fazendo coisas legais.
  • O anúncio pode virar um presente para o usuário, se for uma informação relevante, se for útil.
  • Yahoo! está se centralizando em torno do usuário e do anunciante. Não são mais empresa de tecnologia, mas com foco no cliente, no conteúdo, no anunciante. Não sei se isso vai funcionar.
  • O novo conceito central do Yahoo! é It’s all about you!

my-world-the-world-mixx-09-yahoo

Não sei se isso vai dar certo. Tenho minhas dúvidas. Lições que tirei dessa apresentação:

  • não abuse do jabá, pode te atrapalhar muito
  • não adianta fazer coisas bacanas, se todos já acham, antecipadamente, que você não é mais bacana, cool

Uma das coisas que ela apresentou e que conheço pouco, é o uso de personas. Me pareceu uma maneira interessante de entender os diferentes tipos de clientes que você atende e criar ofertas para cada um desses grupos. Acho que é uma das cosas que vou procurar melhorar daqui em diante, colocando em prática.

Assista ao vídeo que a IAB colocou sobre a palestra, resumido:

Se você quiser ver todos os vídeos oficiais do evento, acesse o canal do IAB no youtube.

Bob Greenberg e Nick Law, da R/GA, no #Mixx 09, sobre agências digitais

RGA-Bob-Greenberg-Nick-Law-mixx-iab

Bob Greenberg e Nick Law, da R/GA, fizeram uma palestra em forma de entrevista no Mixx, em NY, dia22-09-09. O entrevistador era Randall Rothenberg, da IAB. A conversa foi uma das melhores do evento. A R/GA desenvolve alguns dos trabalhos mais interessantes de marketing hoje, como o Nike+.

Disseram que a R/GA fala que faz de tudo, é uma agência, mas também cria produtos. O tema da entrevista era “agência digital tradicional”, que eles definiram como uma agência que faz sites para empresas.

Outro conceito apresentado por Bob, que achei interessante foi o de plataforma e campanha. O Nike+ é uma plataforma, não uma campanha. Já a corrida Human Race é uma campanha. O objetivo de uma plataforma é entrar no modo de vida do cliente. Uma campanha é conseguir atenção, ganhar alguma coisa. Mais pontual. Plataformas requerem interação entre empresa e cliente.

Falaram em ser o curador de um time de pessoas, para se fazer uma ação digital. Como integrar quem escreve, desenha e programa? É preciso ser muito bom em liderança e colaboração entre os mais diversos membros do time. Greenberg disse: no passado, diretor de arte e redator eram o time criativo. Hoje esse time é muito maior (tecnologia, dados, análise, etc).

Citou os “unboxing vídeos”, um fenômeno entre geeks (nerds). Há muitos vídeos demonstrativos no youtube ensinando como usar determinado produto.

No final disseram, a discussão daqui em diante não vai ser sobre TV, print ou digital. Vai ser sobre China, Russia, etc. Achei interessante.

Dois cases apresentados:

  1. Criaram uma campanha, envolvendo mídia online e offline muito legal, com informações para adolescentes não deixarem seus namorados/as divulgarem fotos íntimas na web. Criaram um site www.thatsnotcool.com com informações, depoimentos, vídeos e fóruns. Deu muito certo. Conseguiram chegar nos adolescentes, mostrando um tema tabu e importante.
  2. Outra campanha legal apresentada foi “Dear Mr. President”, para a Pepsi, que colocou a Pepsi mais conectada ao público jovem, altamente conectado e mais engajado na política. Veja o site e vídeos em www.refresheverything.com.

Bob Greenberg acha que propagandas apenas com metáforas puras não vão funcionar mais. Comparou, dizendo que o anúncio do iPhone é uma demonstração. A propaganda Mac x PC é demonstração e metáfora. A mídia mudou, agora é interativa. Na internet, você quer saber sobre o produto.

Veja o vídeo resumo, disponibilizado pela IAB, abaixo:

Como criar uma plataforma para sua marca pode ser uma boa pergunta para refletir sobre sua empresa, sobre seu negócio, sua marca. Foi minha lição de casa da palestra (ainda não tenho a resposta rs..).

No site deles, tem um material muito interessante sobre a agência. Coloquei no slideshare e você pode ver abaixo.

O Marcelo Tripoli, da iThink, que também esteve no evento, postou o vídeo completo da apresentação.

David Moore, da 24/7 Real Media e IAB, no #Mixx 09

www-i-am-the-long-tail-com

David Moore, fundador da 24/7 Real Media e chairman do IAB abriu o segundo dia do Mixx 09 em NY. Foi uma fala política, mas gostei. O grande destaque foi ver ele contando sobre o trabalho que o IAB faz de formação, e crescimento do mercado de publicidade interativo. Acredito que esse deve ser o principal foco de toda entidade que representa um determinado setor.

Nessa linha de levar informação, favorecendo o crescimento do setor, Moore contou sobre o trabalho de auto-regulamentação capitaneado pelo IAB e a produção de manuias de boas práticas. Eles também desenvolvem estudos para comprovar o tamanho do mercado. O último provou que o negócio internet contribui com US$300 bilhões para economia dos EUA. O PDF da apresentação resumo está aqui.

A IAB criou um projeto de pequenos filmes que se chama http://iamthelongtail.com/. A imagem que ilustra esse post é a home desse site.

A IAB produz materiais para construir o mercado de publicidade na internet. No Brasil, o UOL fez algo parecido recentemente, com muito sucesso (o material se tornou viral, muita gente divulgando – inclusive eu).

A IAB tem programas de treinamentos para certificar profissionais no setor. Moore disse que a entidade tem uma guerra contra a discrepância. Para isso, atua em três áreas: 1- mensuração, standards epesquisa quantitativa, 2- melhoria de processos e 3- integração de sistemas (muitas vezes de empresas concorrentes, pelo que entendi).

Em 2010, vão patrocinar um estudo com o título Building brands online, explicando como construir marcas online. Um tema que muito me interessa e que pode ajudar muito quem trabalha com internet e com marketing. Fiquei muito interessado. Vão lançar também um material sobre como proteger sua privacidade online.

Pelo discurso do David Moore, me pareceu que a IAB é muito dedicada a difundir melhores práticas, standards e padrões, visando a construção/ampliação do mercado. Terminou dizendo que em 2015, a publicidade interativa terá a maior fatia do mercado publicitário total, nos EUA.

Essa pequena palestra, que tinha tudo para ser muito mais uma propaganda da IAB (e foi), me atraiu, pois foi um bom resumo, na minha opinião, do que uma entidade precisa trabalhar, quando pretende defender e representar um setor novo, com muito potencial e que precisa crescer.

Palestra-entrevista com Marcello Serpa, da AlmapBBDO, na Casa do Saber

Picture 2

Marcello Serpa foi o terceiro palestrante-entrevistado do curso Grandes Publicitários na Casa do Saber. Me pareceu o mais “artista” entre Alexandre Gama e Nizan Guanaes. Disse ser “um eterno garoto de 7 anos, segurando uma antena”, que capta tendências, entende o que está no ar.

Minhas anotações, comentários e frases do Marcello Serpa

  • Aos 15 anos, sentiu necessidade de viajar e foi para Europa.
  • Procurou fazer arte aplicada. Começou designer, terminou publicitário.
  • É incrível como as relações entre esses “grandes publicitários” parece ser estremecida, como que enormes egos sempre se chocando. Fiquei com essa impressão na palestra dele, quando fala de outros profissionais.
  • “Diretor de arte era chamado de decorador de anúncio (DA)”, sobre como sua função era criticada por redatores.
  • “Sempre tive ídolos, em cada fase da vida”. Depois, com tempo, deixou de ter ídolos. Disse que a relação ficou mais humana, mais próxima, mais de igual para igual. Achei interessante e correto.
  • O mercado de publicitário está em SP. Nizan comentou a mesma coisa, de outra forma. Não adianta querer ter uma agência nacional com sede no Rio ou em Salvador.
  • “Liderança não é título, se exerce pelo exemplo e com empatia”. Quer levar seus liderados “a um lugar melhor”, ou seja, quer ajudá-los a ir mais longe. O Petit (da DPZ) fazia isso e tenta fazer isso sempre, com todos que trabalham com ele. “Já fui líder sem ter cargo”.
  • “Sucesso é reconhecimento”. Mas é preciso ter cuidado com o ego, que “pode ficar gordo, e o colesterol do ego faz mal”.
  • De uma maneira humilde até falou da sorte e do acaso. Chegou onde chegou também com a ajuda do destino. “Talento existe sim, mas um talento específico”. E ele também acredita na intuição.
  • “Não sou piloto de avião”, sobre poder errar na publicidade. “O máximo que vai acontecer é perder a conta do cliente”, não é o fim do mundo. Deve ser difícil praticar isso na vida real. E deve ser mais difícil ainda assumir os erros, numa profissão de tanta imagem, e egos “com colesterol”. :-)
  • “Talento em publicidade é associar coisas diferentes, que combinam quando juntas. É a síntese. É ver o óbvio.” Gostei muito dessa explicação. Simples.
  • “Só aprendi a ter sócios depois dos 35 anos”. “Não sou empresário”. Não quero ter chefe.
  • “É preciso acreditar na felicidade. A vida tem que ser gostosa”.
  • “Nenhuma sociedade que aboliu Deus sobreviveu”.
  • Fazer “propaganda é vender”.

O que mais gostei

Para fazer uma boa campanha é preciso apenas responder duas perguntas:

  1. Defina o problema do cliente. Onde você precisa chegar? Qual o posicionamento, qual a mensagem? Há uma única resposta para isso.
  2. O que precisa ser dito é relevante, convence?

“Toda ideia boa cabe em uma frase”, sobre simplicidade e como fazer um teste matador para saber se você está no caminho certo.

É preciso simplificar, resumir seu conceito, seu produto em apenas uma frase, que explica, vende e convence o cliente. Antes de se procurar fazer uma campanha, é preciso responder as duas perguntas chave: 1-qual o desafio? e 2-alcançando esse desafio, você conseguiu vender o produto?

Gostei muito disso, pois acredito que esse exercício bem feito: resumo, problema e checagem da solução, pode aumentar incrivelmente o resultado de um trabalho de marketing. Tenho a impressão de que é muito comum campanhas e estratégias que não levam esses simples conceitos em conta.

Esses dois tópicos acima (2 perguntas, e ideia numa frase) valeram a noite. Uma ótima reflexão sobre todos os materiais promocionais que fazemos. Fiquei pensando no que produzo e no que consumo, e me dei conta, que muitas vezes não se consegue atender a esses dois critérios tão básicos: entender o problema, e resolve-lo, de forma simples.

Se você gostou, leia os outros posts, da série Grandes Publicitários.

Veja também uma imagem que achei no site da agência dele, que gostei.

Picture 3

Chris Anderson, dos livros Long Tail e Free, fala no #Mixx 09

chris-anderson-iab-mixx

No segundo dia do MIXX 09, evento da IAB em Nova Iorque, a grande atração da manhã foi Chris Anderson, autor dos aclamados Long Tail e Free, entrevistado pelo jornalista Charlie Rose, considerado o melhor entrevistador dos EUA. O tema da conversa foi o livro Free e como as empresas de mídia vão se adaptar a esse novo modelo. Chris fez um resumo bacana do seu livro, dando alguns destaques interessantes.

Produzir e distribuir conteúdo pela internet se democratizou. Custa muito pouco e esta cada vez mais barato. Os precos caem 50% ao ano. Nao há mais monopólio das grandes empresas de mídia. Como os empregadores de Chris e Charlie :-) A facilidade de produzir e disponibilizar, leva a um grande inventário de mídia a ser vendido. Oferta cresce mais que demanda, preco cai.

O desafio da mídia hoje não é mais construir uma grande base de usuários, ou eyeballs como os gringos adoram repetir. O problema agora é outro, como fazer para ganhar dinheiro se grande parte do seu conteúdo é de graça. Segundo Anderson, o desafio agora é criar novos produtos, novos serviços que serão a parte premium do seu produto, usando o modelo de negocio freemium (free + premium).

Nao há receita de bolo e parece que ninguém sabe a resposta ainda. Mas todo mundo está procurando a sua. As pistas sao serviços, conteúdo extra, formato diferenciado, souvenirs, entre outros.

Chris Anderson citou dois exemplos. O primeiro foi o grupo de comédia Monty Python, que cansado de ver seus vídeos pirateados no youtube, resolveram eles mesmos criar um canal exclusivo do grupo, com tudo de graça. E venderam muito, muito mais DVDs com isso. O outro exemplo é o proprio livro Free. Teve versão grátis (por apenas uma semana) no Kindle, outra grátis para leitura online, audiobooks grátis. E mesmo tendo muitas versões grátis virou bestseller da versão paga (impresso). É provavel que as versões grátis ajudaram a vender mais a versão paga, pois gerou atenção, buzz. Eu mesmo tenho duas versões grátis (kindle e audiobook), mas não tenho a paga.

Chris falou muito: atenção hoje vale dinheiro, pois é escassa.

No final, falou de um tema que não conhecia e fez sentido, despertou o interesse. Disse que o “small” é cada vez mais importante. Mesmos as grandes empresas, com presença global, estão pensando em como construir negócios com foco no local, em pequenas comunidades, pequenos grupos de pessoas. Um bom dever de casa, para quando voltar ao Brasil.

O modelo freemium pode não estar definido como será na prática para as empresas de mídia, mas Chris Anderson já descobriu o dele. Escreve livros sobre o grátis e vende palestras caras para explicar o conceito ;-)

Escrevi esse post para o Blue Bus, e foi publicado resumido no mesmo dia do evento, há duas semanas.

Leia os outros posts que escrevi sobre o Mixx 2009.

Debate sobre futuro do vídeo online, no #Mixx 09

Um debate, que consegui pegar apenas a parte final, foi sobre o futuro do vídeo online. Três comentários interessantes, que anotei, foi que vídeo é parecido com musica. Se houver disponibilidade, conveniência, qualidade e segurança, há público disposto a pagar por isso. O iTunes é um exemplo de que muita gente prefere pagar a correr o risco de pegar vírus, ter baixa qualidade, etc.

Outro ponto que me chamou a atenção foi um comentário sobre modelo de negócios. Muita gente acredita que as formas de monetização serão muitas. Venda de assinatura, venda de conteúdo extra, publicidade, etc. E por fim, alguém da mesa falou que o consumidor segue o conteúdo.

E o vídeo e cada vez mais um conteúdo que as pessoas querem consumir, que causa impacto. Se isso e verdade, vídeo na internet veio para ficar, e o modelo de negócios vai surgir, mesmo que nenhum desses atuais.

E completou, “minha dúvida é apenas em relação ao curto-médio prazo, pois vídeo online veio para ficar”.

Fui comprar minha câmera ;-)

Um dos panelistas fez uma apresentação, que disponibilizou para download (exceção no evento). Coloquei no slideshare e você pode ver abaixo. É interessante notar que os números podem levar a conclusões erradas. Há muita gente assistindo vídeos online, mas o tempo gasto na frente da TV é ainda muito, muito superior.

Vale a pena assistir abaixo.

Bank of America, construindo um diálogo real usando mídias sociais, palestra no #Mixx 09

bofa_help

Outra palestra bacana do evento foi o estudo de caso apresentado por Adam Turinas, da agência Organic e Jennifer McDonald, executivo de marketing digital do Bank of America. Eles mostraram como estão usando o twitter para se aproximar dos clientes, ganhar uma cara mais humana, diminuir os problemas. Falaram e mostraram alguns conceitos aplicados interessantes.

É normal que uma grande empresa tenha alguns clientes frustrados. E eles já estão falando (mal) da empresa por aí. Por existir o twitter, agora alguns expressam sua insatisfação lá. O twitter não criou essa situação, apenas tornou mais visível e transparente. Eles falaram que defendem internamente o uso do twitter como uma ferramenta de interação com os clientes como qualquer outra forma ou ferramenta de atendimento.

Mostraram casos em que a atuação pró-ativa da empresa conseguiu reverter casos bem negativos. Um exemplo foi um post com um titulo mais ou menos “BofA talvez não seja tão ruim assim”.

Um detalhe que me chamou a atenção e que o twitter @BofA_help não tem o logo do banco como imagem do perfil, mas uma foto da pessoa que opera essa conta. Não tinha visto isso acontecer ainda, não sei se mudei minha opinião, mas foi um pequeno detalhe que me fez pensar mais. Se você vai ao banco e interage com uma pessoa especificamente, poderia ser assim também no twitter. É provável que de uma impressão mais humana, mais próxima. Um detalhe que pode causar um impacto positivo, mesmo que passe despercebido.

No final, contaram que estão começando a divulgar mais a conta de atendimento ao cliente no twitter, pois vem tendo bons resultados. Ainda nesse painel, sobre mídias sociais, outra apresentação resumiu seus desafios em autenticidade, transparência, relevância e engajamento.

Leia mais sobre o Mixx 2009 em NY.

Tim Armstrong, chairman e CEO da AOL, no #Mixx 09

TIM-ARMSTRONG

Tim Armstrong já trabalhou no Google, antes de ir para a AOL, uma empresa com um grande desafio pela frente. Já foi uma das empresas mais importantes do mundo na internet e hoje está meio que esquecida, de lado. Tim deu muito destaque para o conteúdo. Falou que a empresa é focada nisso, e tem aí seu principal diferencial competitivo.

Iniciou a palestra mostrando alguns números e pedindo para a plateia adivinhar o que cada um significava. O primeiro era o número 1560. Alguém disse da plateia: é o numero de jornalistas da AOL? Ele respondeu que não, eram 3.000 no total. 1560 era o número de lojas fechadas da Blockbuster. E mostrou um outro lado. Ao mesmo tempo que mostra os problemas, dificuldades da Blockbuster, mostra uma série de oportunidades para a Netflix e até para a AOL.

Se tem menos gente alugando filmes em lojas físicas, pode ter mais gente consumindo entretenimento de outras formas, seja alugando um DVD pela internet, ou consumindo vídeos pela internet. Ele tem razão, enquanto uns choram, outros vendem lenços.

Também fez questão de mostrar a força do twitter e como ele pode ajudar uma série de outros produtos, como séries de TV. Com o twitter ficou mais fácil segmentar muito a informação que chega a cada um.

Ainda sobre conteúdo, a visão do Tim e colocar o conteúdo certo para o consumidor certo com a publicidade certa. A fragmentação é nossa amiga, disse. As áreas de atuação da AOL atualmente são conteúdo próprio, venda publicidade em rede de sites parceiros, sites regionais/locais, comunicação e mensagem (a AOL é dona do ICQ e de um messenger próprio) e AOL Ventures, uma espécie de fundo de investimentos em novos negócios.

De tudo isso, o que mais me chamou a atenção foi o último. Mostra que eles perceberam que dificilmente uma grande empresa vai conseguir criar negócios altamente inovadores dentro de casa, por isso apostam em ter uma série de investimentos em startups, podendo lucrar muito com isso. O novo Google ou o novo twitter não vai surgir dentro da AOL, mas pode surgir dentro de uma startup financiada pela AOL.

Perguntaram o que ele aprendeu nos tempos de Google, que aplicava na AOL e também o que não servia no novo posto. Respondeu que aprendeu com o Google que a tecnologia pode ajudar muito. Falou que o Google é muito bom em conectar os “tubos subterrâneos”, ou seja, faz funcionar o que ninguém vê, mas que faz toda a diferença. O que não aplica na AOL é o pouco foco em conteúdo dado pelo Google, que quer integrar, mas não produzir conteúdo.

Achei a palestra interessante, mas é difícil imaginar que a empresa terá um futuro brilhante pela frente. Me parece que muito dificilmente ocupará o local de destaque que já teve, no “início” da internet.

Veja todos os meus posts sobre o evento Mixx 2009 dias 21 e 22 de setembro, que participei em New York.

Jeff Benjamin, Crispin Porter + Bogusky: não sou eu que vou fazer a revolução digital, no #Mixx 09

Jeff Benjamin, vice presidente e diretor de criação interativa da Crispin Porter + Bogusky também fez uma mini-palestra de 5 minutos. Disse uma coisa bacana e humilde.

Ele não acha que ele mesmo vai fazer essa revolução criativa, mas a molecada que está começando a trabalhar agora, que tem uma vida muito mais digital. Uma geração onde o digital é onipresente.

Lucas Watson, Global Team Leader de Estratégia de Negócios Digitais da Procter & Gamble, no #Mixx 09

Lucas-Watson-mixx

Lucas Watson começou a palestra falando de dois campos de golf dos EUA, um feito pelo Donald Trump, em que se construiu tudo do zero. Um outro campo totalmente feito pelo homem. O outro, um campo de golf muito simples no estado de Nebraska, onde pouca coisa foi feita. Um campo de golf com pouca interferência do homem. E esse mais simples e mais barato, é mais admirado. Ele usou essa comparação para falar de ações digitais.

As vezes, fazemos uma grande obra, se mexe em muita terra, mas alguém faz muito menos esforço e tem mais resultados.

Ele mostrou alguns conceitos bacanas.

Você precisa de um ideal e de uma ideia. Mostrou um video simples, de bebes dormindo com uma musica calma, usado para vender Pampers.

Ou então você pode ter uma ideia muito boa, que e colocada em prática de forma fácil. Mostrou o caso de um banner da batata frita Pringles, que era uma brincadeira, com frases engraçadas, que iam mudando a cada clique do internauta.

Eram 128 telas com pequenas frases diferentes em cada um, com o mesmo fundo, layout, etc. Disse que a maioria das pessoas clicava atá o final. Isso mesmo, 128 cliques! A parte que ele mostrou na palestra era realmente bem engraçada, arrancou risadas da plateia. Simplicidade é o verdadeiro brilho criativo, disse. “Use o campo que você tem”, lembrando da comparação inicial entre campos de golf.

A criatividade pode vir de qualquer lugar. Lucas mostrou outro exemplo de crowdsourcing, onde o design de uma campanha do perfume da Hugo Boss foi feita por um tailandês de 18 anos, sem formação em design ou publicidade. O engraçado é que era a marca de perfume que eu uso.

Outro trocadilho que ele fez e que o dinheiro não pode comprar felicidade. E tambem não consegue comprar (sozinho) criatividade.

Ao final, contou o que a P&G vem fazendo para aumentar sua criatividade. Estão aumentando importância do digital, simplificando o briefing creativo, medindo e aprendendo o tempo inteiro, premiando a colaboração entre agências que os atendem e por fim, estimulando experimentos e a inovação.