Posts Tagged ‘blue bus’

Luiz Alberto Marinho (@luizmarinho), sócio-diretor da GSBW, no #MitA #031

Comments Off on Luiz Alberto Marinho (@luizmarinho), sócio-diretor da GSBW, no #MitA #031
 |  by  |  man in the arena, vídeo, videopodcast  |  Comments Off on Luiz Alberto Marinho (@luizmarinho), sócio-diretor da GSBW, no #MitA #031

Neste episódio (#031) do Man in the Arena, um bate papo com Luiz Alberto Marinho, sócio-diretor da GS&BW, consultoria especializada em marketing de varejo e shopping centers.

Leia mais

Meus dois posts para o Blue Bus sobre o #MIXX 09, em NY

Comments Off on Meus dois posts para o Blue Bus sobre o #MIXX 09, em NY
 |  by  |  cursos e seminários, internet, marketing  |  Comments Off on Meus dois posts para o Blue Bus sobre o #MIXX 09, em NY

mixx_expo_logo_2009

Segunda e terça dessa semana, participei em NY do evento MIXX, organizado pela IAB, sobre publicidade interativa. Escrevi dois posts para o site Blue Bus sobre o evento. Veja os links abaixo e uma breve chamada de cada um.

Começou a Mixx 2009 em NY | Revolucao criativa na publicidade

Na parte da manhã, o destaque foi a demonstração ao vivo do novo sistema interativo da Microsoft, um escritório do futuro, com assistente digital inteligente, vídeo-conferência de corpo inteiro e controles do sistema sem uso de mouse, joystick ou coisas do gênero. Voce se mexe e o sistema entende. Minority Report na vida real, ou para os mais velhos – os Jetsons – em 2009. Apesar dessa parte da palestra ter sido uma mega propaganda da Microsoft, todo mundo adorou.

Chris Anderson, dos livros Long Tail e Free, fala no Mixx 09 do IAB

Chris Anderson citou dois exemplos. O primeiro foi o grupo de comédia Monty Python, que cansado de ver seus vídeos pirateados no YouTube, resolveram eles mesmos criar um canal exclusivo do grupo, com tudo de graça. Venderam muito, muito mais DVDs com isso. O outro exemplo é o próprio livro Free. Teve versão grátis (por uma semana) no Kindle, para leitura online, audiobooks grátis. E mesmo tendo muitas versões grátis virou bestseller da versão paga (impresso). É provável que as versões grátis tenham ajudado a vender mais a versão paga, pois gerou atenção, buzz. Chris falou muito isso, ‘atenção’ hoje vale dinheiro, pois é escassa.

Fiquei muito satisfeito em ser “publicado” pelo Blue Bus, que é um site que acompanho e admiro desde 2002, quando estava começando a trabalhar, recém-formado. Julio, obrigado pelo espaço. Marinho, muito obrigado pela ponte.

Escrito em Washington, DC, onde começa amanhã a conferência INC 500. Essa promete muito.

Bem legal esse anúncio do Bing.com

Bem legal esse vídeo promvendo o Bing, novo serviço de busca da Microsoft.

YouTube Preview Image

Testei o sistema. Gostei bastante. Mas acho que ainda não é suficiente para mudar do Google. Em tempo, para imagens, eu uso a busca do Flickr.

Agora, o que eu quero ver, mesmo, é o Wave da MS.

A dica, do vídeo, é do Blue Bus.

As lojas do Marinho em NY

080427-nyc-curso-seth-godin-abr-2008-017

Ano passado, fui a Nova Iorque participar de um curso de um dia com o Seth Godin e pedi dicas para meu amigo Luiz Alberto Marinho, especialista em branding e varejo sobre quais as lojas mais legais de se visitar em NY, para aprender marketing, experiência do cliente, etc. Na minha lista já estava a Apple e o supermercado Whole Foods.

Como sempre, ele foi super legal, e me mandou várias dicas. Essa semana, é ele que está em NY, participando do NRF 2009 e escrevendo de lá. Vale a pena ler todos os artigos dele, no Blue Bus, direto de New York.

As lojas que ele me recomendou:

  • FAO Schwarz, que fica na 5ª avenida bem ao lado da Apple. É uma loja de brinquedos incrível, com uns 3-4 andares, milhares de brinquedos, de todos os tipos e tamanhos. Fiquei me imaginando lá com o Vicente, meu filho, curtindo cada coisa.
  • American Girl Place. Essa eu não visitei.

2736847988_99f4ef6632_b

  • Abercrombie & Fitch, da 5ª avenida com 56th St. Essa eu só fui porque ele me sugeriu. Passei umas 4-5 vezes na frente e tinha fila para entrar. Passei um dia com chuva, e tinha um monte de gente na fila, se molhando, com umas capinhas e guarda-chuva. Fiquei intrigado. O que poderia ter lá dentro, para todo esse hype? A loja é uma loucura. Só modelos atendendo, iluminação diferente, bem escura. Preços três vezes maior que a GAP, e uma galera comprando. Não levei nada, mas achei uma experiência. Minha prima que abriu uma loja de roupas em Salvador recentemente precisa conhecer. Tenho certeza que sairá com mil idéias.
  • Build A Bear. A loja que vende uma data de aniversário e não um bicho de pelúcia. Você monta seu bicho de pelúcia, cor, roupas, enchimento, acessórios. Sai de lá com um certificado de nascimento. Idéia genial, já copiada no Brasil, mas sem tanto glamour.
  • Toys R Us, da Times Square. Uma loja enorme, com uma roda gigante dentro. Lá que comprei os presentes do Vicente. Muito legal mesmo. As crianças enlouquecem lá dentro. Um programa, um passeio. Muito mais do que fazer compras.
  • M&M Store, na Times Square. Uma aula de como vender um produto, uma experiência, usando uma loja. Não sou fã de M&Ms, mas achei muito bem feita a forma de divulgar o produto, torná-lo ainda mais diferente. Lá eles vendem propaganda do produto em forma de roupas e souvenirs. E as pessoas compram.
  • Prada, no Soho. Essa eu também não fui.

As outras duas, que já estavam na minha lista, e que o Marinho também endossou.

080427-nyc-curso-seth-godin-abr-2008-055

  • Apple. Tudo que você imagina e sonha em uma loja de eletrônicos. Facilidade total de experimentação. Fiquei brincando com um IPhone e um Macbook air. Ninguém me incomodou. Se precisasse, tinha inúmeros atendentes muito simpáticos. O Cris Dias diz que os vendedores não recebem comissão. O objetivo ali não é vender, mas fazer marketing, interagir com o cliente. A venda é consequência.
  • Whole Foods. Tudo que você pode sonhar em um supermercados de luxo. Carne orgânica? Tem. Sucos exóticos? Tem também. Smoothies malucos, prontos para beber, também. Cafés especiais, aos montes. Uma aula de marketing e diferenciação no mercado de alimentos. Se você trabalha com alimentos, precisa visitar uma loja dessas.

Continuo achando que Nova Iorque, e os EUA em geral, é uma aula 24 horas no ar, de marketing. Quem vende alguma coisa, precisa ir lá pelo menos uma vez por ano. Se paga, cada centavo. Ainda mais quando você tem amigos, que te dão conselhos tão bacanas.